Não Vale Mais a Pena a Gente Fingir

O que começou como rápidos olhares
foi evoluindo para conversas fugazes,
até que virou nossa maior inimiga a distância
e nossos corpos começaram a clamar um pelo outro com ânsia.

Iniciamos com relações escondidas,
tentando dar vazão para nossas vontades bandidas.
Mas as rapidinhas só aumentaram
o que nossos desejos já incendiaram.

Um pelo outro nossa necessidade
parece não se limitar com nossa diferença de idade,
ou de mundos, ou de rotina,
e nem a língua dos outros que nos agride como guilhotina.

Você me diz para mandar os outros às favas
e que não podemos deixar que os outros sejam nossas travas,
até porque não é neles que dói esse vazio,
essa falta que sentimos um do outro, espaço frio.

Mas me corrói essa impotência
de termos que viver nessa penitência,
e não vale mais a pena a gente fingir
que não tem entre nós nada a existir.

Portanto, quero sim me livrar dessa dor que me devora
e lutar contra tudo que nos afasta sem mais demora.
Não vou mais deixar que ninguém roube nossa felicidade,
e nem que nos julgue por causa de nossa afinidade.

Deixe uma resposta