22. A Língua da Espionagem

O mago sem poder vê-la, adorou as conversas aprazíveis.
Já ela soube que ele fazia pesquisas de múltiplos níveis
sobre os poderes lunares e o sol não era dos estudos o campo.
Disse que escondido, achou um pen drive em forma de grampo,
enquanto fuçava prateleiras e fez uma cópia por curiosidade.
Eram arquivos solares de espião em missão finda em fatalidade.
Após ela pedir, ele leu uma lista e Luniel já se achou fluente.
Onde fica? = As-hii aput? Por favor. = Odipssi. O que é isso? = Ongona atir?
Saía da frente, imbecil! = Hopa homba Máarh! Ajude-me. = Ongonná ssruh.
Obrigado. = Adipissi. De nada. = Alsty. Preciso de… = Ostrunga âs…
As horas passaram durante o assunto muito envolvente,
no entanto, se despediram e ela, com um pressentimento,
olhou o sol perturbador, mas parou: cabeça com formigamento.

(Comente e compartilhe meu eBook “Sol e Lua: A Profecia dos Corações Carbonizados” e ajude a divulgar mais a poesia nacional! Ficou na curiosidade? Então continue no Link: https://gigipormei.com/category/meus-livros/sol-e-lua-a-profecia-dos-coracoes-carbonizados/)

Deixe uma resposta