36. Carregando Mundos nas Costas

A poção era prenda do seu pai à ida de Onire ao sol possibilitar.
Contudo, ele morreu antes de ela poder bebê-la e ir lá habitar.
O que era mais útil agora, embora Luniel, com tosse terrível,
nem ligasse para coincidências tal sua montaria que flexível,
encostou-se na parede em que a sombra sumiu, pois chegaram.
Estava em uma colina que cortava nuvens que lá se agregaram
para ocultar ponto sagrado, onde o vento à corda balançava.
Era a Corda Sideral para subir e ir onde que se necessitava
e transporte para qualquer canto, e Luniel conhecia seu desejo.
Pensou em Dicuro e tudo ao seu redor girou rápido tal adejo
à medida que ia subindo, virando mancha com sua ansiedade.
Respirava fundo, focada em seu trabalho de alta lealdade.

(Comente e compartilhe meu eBook “Sol e Lua: A Profecia dos Corações Carbonizados” e ajude a divulgar mais a poesia nacional! Ficou na curiosidade? Então continue no Link: https://gigipormei.com/category/meus-livros/sol-e-lua-a-profecia-dos-coracoes-carbonizados/)

2 comentários

Deixe uma resposta