38. Pisando em Terras Inimigas

Os incômodos cessaram, e reparou no ar cor de marfim
que inalava por duas cavidades – não seu nariz de querubim,
já que gases cadentes não serviam a lunar sistema respiratório.
Respirando como verdadeira solar, ouviu um choro inglório
e marcado pelo medo lunar de Dicuro – astro aterrador
até visto de longe e com solo de mortes volatianas propiciador.
Ergueu-se, surpresa com sedas a fazendo tolerar calor anormal!
Pura magia, mas decidiu que os poderes seriam para o crucial.
Foi andando e as arrastando em poças ferventes sem as alterar.
Viu aparelhos que a pressão e a gravidade estavam a processar
nas prisões lunares para essas forças a ninguém amassar
e jatos com 15 mil quilômetros de altura e do solo a espirrar.

(Comente e compartilhe meu eBook “Sol e Lua: A Profecia dos Corações Carbonizados” e ajude a divulgar mais a poesia nacional! Ficou na curiosidade? Então continue no Link: https://gigipormei.com/category/meus-livros/sol-e-lua-a-profecia-dos-coracoes-carbonizados/)

Deixe uma resposta