Machucada

Com sua alma machucada,
ela já não sabia mais o que fazer
nem mais tinha o porquê temer,
pois o tudo era ilusão, e só lhe restava o nada.

A mãe tinha aquele armário especial,
e numa tarde depois da escola,
resolveu que chegara a hora.
Não tinha mais porque manter sua vida superficial.

Ingeriu um, depois outro.
Cores descendo pela garganta já cinzenta,
cansada de ter sua voz desacreditada e vista como birrenta.
Se sua dor não era entendida, talvez seria noutro.

Para quem vive entre crise e cicatriz,
não há mais medo da escuridão.
Seu coração parou, dando adeus à sua visão.
Caiu no chão, a morte lhe vindo como atrás do trono a imperatriz.

Mas lhe tomou uma intensa brancura
com sorriso afável e palavras que passaram a iluminar
de seu ser já desintoxicado cada machucado agora a sarar,
e sentiu em sua testa mãos de extrema candura.

Quem vive em solidão só precisa de um amigo
que possa lhe tirar do desespero e da aflição,
e mostrar que mesmo uma crise pode ser uma benção,
quando se vê como merecedor de nova chance, e não como perigo.

Por Gigi Pormei

3 comentários

Deixe uma resposta