52. Protegendo os Inocentes

De repente sentiram eletromagnetismo que os apoquentaram.
O núcleo acabara de romper a área – o que nunca imaginaram.
Ele se dilatava e a pressão derretia com magma toda estrutura.
Fendas surgiam na autodestruição; e adiante outra ruptura.
Ter firmeza para andar era uma ilusão e a dupla se emudeceu,
vendo tudo afundar ao redor do vulgo que ali se estabeleceu.
Isso mexeu com Luniel que com sua tão caridosa moral,
queria poupar vidas inocentes ou enganadas pelo rei visceral.
Então ela desceu ribanceira e andando em solo vertiginoso,
com Lapilli curioso, foi ao centro para findar risco tenebroso.
Pôs-se em ponto firme, com suas tiras tampou as lacunas
e as amarrou entre si e o sossego se recuperou nas dunas.

(Comente e compartilhe meu eBook “Sol e Lua: A Profecia dos Corações Carbonizados” e ajude a divulgar mais a poesia nacional! Ficou na curiosidade? Então continue no Link: https://gigipormei.com/category/meus-livros/sol-e-lua-a-profecia-dos-coracoes-carbonizados/)

Deixe uma resposta