54. Salvadora Desconhecida

Afobados, enquanto uns corriam como baratas sob inseticida,
outros giravam roldanas para subir muro de lava endurecida
– que só retardaria o mar; já desgastada de antigas vagas.
A rebelião marítima nascera da ciência nuclear e suas pragas:
os projéteis que no alto brilhavam tal fogo de artifício.
Luniel se esforçava para achar opções contra aquele malefício.
Pulou da elevação e contornou a orla da praia, indo ao norte.
Nenhum morador a viu, porque focava só na própria sorte.
Porém, isso a prejudicou quando avançava ao lado da tapagem,
espremida pelos histéricos com medo daquela abordagem.
Mas conseguiu ficar próxima do mar e entreviu no nevoeiro
plataforma com pernas metálicas – algo a ela nada rotineiro.

(Comente e compartilhe meu eBook “Sol e Lua: A Profecia dos Corações Carbonizados” e ajude a divulgar mais a poesia nacional! Ficou na curiosidade? Então continue no Link: https://gigipormei.com/category/meus-livros/sol-e-lua-a-profecia-dos-coracoes-carbonizados/)

Deixe uma resposta