67. Para Qual Direção?

Enquanto a mancha sumia, voltou a atenção para sua meta.
Acordou Lapilli que, sonolento, disse-lhe para seguir em reta,
que mesmo com o chão se movendo, iriam aos pontos visados.
Assim o fez até um controle remoto, o Sav-ichss, com chiados,
usado pelos militares para abrir portas e ficaram alegrados,
já que poderia permitir acesso a muitos lugares almejados.
Lapilli disse que de manhã a claridade ficava mais substanciosa
e que os polos giravam opostamente e não era fiada prosa.
“Belo achado”, comentou Luniel margeando um oleoso córrego,
referindo-se ao controle, mas ele já mudara de assunto sôfrego,
só repetindo que queria comer um lagarto frito na frigideira,
contudo, só tinham o rio para beber, longes de comida caseira.

(Comente e compartilhe meu eBook “Sol e Lua: A Profecia dos Corações Carbonizados” e ajude a divulgar mais a poesia nacional! Ficou na curiosidade? Então continue no Link: https://gigipormei.com/category/meus-livros/sol-e-lua-a-profecia-dos-coracoes-carbonizados/)

Deixe uma resposta