70. Exploração Confusa

Antes que mudassem de lugar, o garoto em chute franco,
indicou-lhe a do norte e foi, todavia, rolou por um barranco,
ficando brava entre buracos e sobre placas sobrepostas.
Subiu e escolheu por si ao invés do ajudante nas costas.
Ótimo para Lapilli, livre dos xingos e gostou da escolha.
Parecia ser estrada mais segura, com uma ou outra bolha.
Essas bolhas eram arrotos do sol doente, em lágrimas indóceis
a fim de castigar a todos em sua superfície, que virariam fósseis.
Luniel parou já no meio de tempestade de riscos amarelados
chiando, e ficou desalentada com os caminhos sendo apagados.
Precisava achar a fonte da tormenta – mais um palpite abstrato
de Lapilli – e foi ágil debaixo da chuva que nem um jato.

(Comente e compartilhe meu eBook “Sol e Lua: A Profecia dos Corações Carbonizados” e ajude a divulgar mais a poesia nacional! Ficou na curiosidade? Então continue no Link: https://gigipormei.com/category/meus-livros/sol-e-lua-a-profecia-dos-coracoes-carbonizados/)

Deixe uma resposta