74. Crueldade

Luniel devido à sua empatia teve dores horríveis como avisos,
já que na Cidade das Dores tripas de lunares viravam frisos.
Ela não vira as torturas, mas seu abdômen já muito latejava
e sentia em seu corpo dores que pareciam golpes de clava.
Entrou e sobre que os guardas estariam ocupados resmungava.
Ele disse que era área secreta e da segurança tropas ab-rogava,
sem crer em invasões e usufruiriam da arrogância abobada.
Luniel assentiu e não focou em falecido ainda de face corada.
Nem pensou nos bonecões portas-objetos: o fascínio da massa
por causa do sistema Vorch-p’-ol, ou em dicuriano, “Não assa.”
Nem que seriam cinzas-energizantes em eletrodomésticos,
pois com energia no fim, tinham que usar adustíveis ecléticos.
Então, se já era difícil ver ao vivo aquele horror, o doer alheio
só piorava a sua raiva durante aquele da morbidez torneio.

(Comente e compartilhe meu eBook “Sol e Lua: A Profecia dos Corações Carbonizados” e ajude a divulgar mais a poesia nacional! Ficou na curiosidade? Então continue no Link: https://gigipormei.com/category/meus-livros/sol-e-lua-a-profecia-dos-coracoes-carbonizados/)

Deixe uma resposta