75. Os Guardas e Seus Dragões

Na porta tentou usar o Sav-ichss e conseguiu passagem.
Sentiram odor de carne deteriorada e desejaram uma lavagem.
“Haja lava!”, comentou Lapilli, pois os prédios à margem direita
e pavilhões exigiam mesmo lava para limpar de uma só feita.
Então, viram na rua um comitê de recepção nada hospitaleiro
de dois solares em dragões de flamas tal aceso fogareiro.
Piscaram um flash na direção dela, mirando-a tal a péssimo réu,
catalogando-a como lunar; e os dragões atacaram com fogaréu.

(Comente e compartilhe meu eBook “Sol e Lua: A Profecia dos Corações Carbonizados” e ajude a divulgar mais a poesia nacional! Ficou na curiosidade? Então continue no Link: https://gigipormei.com/category/meus-livros/sol-e-lua-a-profecia-dos-coracoes-carbonizados/)

Deixe uma resposta