79. Quando a Fome Bate

Viram o tanque trincado e vazio; já ela foi atrás de reservatório.
Enviaram dados para rastreio e saíram com odioso repertório.
Por sorte, não verificaram atrás dos barris – um de resguardo
para a moça com as sedas prontas para atacar tal petardo.
Agora enfim sozinhos, outro clamor voltou a visitá-los: a fome.
Antes que Lapilli reclamasse, ela procurou prato de renome,
o Pedras Lisas, roubado de volatianos por aquela tropa velhaca.
Lapilli protestou e olhou as sobras como uma caca.
“É o que temos…”, disse Luniel, fazendo sedas de guardanapos.
Relutante, cedeu à escassez e incharam os papos.

(Comente e compartilhe meu eBook “Sol e Lua: A Profecia dos Corações Carbonizados” e ajude a divulgar mais a poesia nacional! Ficou na curiosidade? Então continue no Link: https://gigipormei.com/category/meus-livros/sol-e-lua-a-profecia-dos-coracoes-carbonizados/)

Deixe uma resposta